terça-feira, 23 de maio de 2017

Você vem sempre aqui?



Não saberia dizer se o dia amanhecera ensolarado ou nublado, pois não batia sol na minha janela, tampouco a luz externa conseguia alcança-la. Após me levantar e executar algumas tarefas rotineiras, observei que havia um envelope que, provavelmente, alguém jogara por baixo da porta. No envelope não havia informação alguma sobre o remetente. Constava apenas o seguinte escrito: “Para você”.

Não é preciso dizer o quão curiosa fiquei. Cheguei até mesmo a pensar que aquilo não passava de um engano. Após passar por um momento de reflexão, abri o envelope. Nele havia uma carta, escrita à mão, com a caligrafia ligeiramente inclinada para a direita, letras corridas e pressão média. Também reparei que o papel havia sido dobrado exatamente no meio. Isso me deixara com uma pontinha de contentamento.

Sem mais delongas, transcrevo abaixo a carta que li:


Minha cara,

Não sei dizer quanto tempo se passou desde o dia que nos conhecemos ou desde o última dia que nos vimos. De qualquer forma, parece uma eternidade. E encarar a eternidade não é uma tarefa fácil. Tão pouco sei sobre você hoje em dia! Ainda escuta as mesmas músicas? Ainda trabalha no mesmo lugar? Ainda tem os mesmos sonhos? E a questão mais importante é: por que eu ainda me preocupo em saber essas coisas? Está claro aqui certo interesse da minha parte, que ainda permanece, mesmo diante do profundo desejo de extingui-lo. Seja como for, não adianta pensar em como estaríamos hoje se determinada coisa tivesse ou não acontecido. É preciso lidar com aquilo que temos em mãos no momento.

Aliás, certa vez lembro-me de uma amiga dizer: “Mais vale um chocolate na mão do que duas pizzas voando”. E ela tinha lá sua razão. Vários “se” poderiam ter existido, mas precisamos lidar apenas com aqueles que se tornaram reais, com aquilo que realmente aconteceu e não com aquelas coisas que gostaríamos que tivessem acontecido.

É justamente então para lidar com as coisas que aconteceram que resolvi lhe escrever essa carta. Não me leve a mal, não irei me desculpar por erros passados, tampouco irei fingir que não os cometi. Só penso que aquilo que não foi resolvido a tempo perdeu sua validade. E como me calei quando deveria falar, e falei quando deveria me calar, venho aproveitar a oportunidade para me despedir.

Não se assuste, não vou para a França (mesmo sabendo que isso lhe causaria dores na espinha todas as noites). Não irei mudar de endereço... a mudança que acontecerá será interna, profunda e totalmente transformadora.

Aproveito enquanto ainda não estou acanhado e lhe convido para conhecer a nova versão de mim mesmo. Tenho certeza que lhe agradará (quem não se agradaria?) e que essa mudança trará benefícios extraordinários em nossas vidas.

Como sei que você não consegue dizer não para mim (e espero que isso não tenha mudado) gostaria de conhece-la melhor.

Aliás, você vem sempre aqui?

P.S.: A Deus e A Você.


Ao terminar de ler a carta, não sabia se ria ou se chorava. Acredito que um pouco das duas coisas aconteceu. A carta não estava assinada, mas também não era preciso... não é preciso ver a assinatura do Van Gogh para saber que se admira um quadro dele. Resolvi pegar um café para refletir um pouco sobre o que havia acabado de ler e mal peguei a xícara e ouvi um barulho na porta. Ao abri-la me deparo com ele.

- Olá, você vem sempre aqui?

- Sim! Gostaria de entrar para tomar uma xícara de café? – não resisti.

- Oh! Mas não seria muito incômodo?

- Claro que não! Queira entrar!

E foi assim que o deixei entrar em minha casa... em minha vida.


Até quando? 


Só Deus sabe.


Só você sabe.



2 comentários:

  1. Muiito bom :)
    Até me deu uma ideia de escrever uma carta para uma pessoa especial... haha :)
    ótimo texto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por ter gostado e o texto ter te inspirado dessa forma!
      Abraços!

      Excluir